logotipo Portal da Familia

Portal da Família
Início Família Pais Filhos Avós Cidadania
Vídeos Painel Notícias Links Vida Colunistas
 
André Gonçalves Fernandes
Coluna "Lanterna na Proa"

Arte ou Desastre?

André Gonçalves Fernandes

Vivemos numa "cultura de repúdio". A frase, que não é minha, mas pertence a Roger Scruton dá bem o tom da forma como o Ocidente, cada vez mais e preocupantemente, esforça-se por repudiar seus valores estruturais, a começar pelos judaico-cristãos. Esse repúdio, ao fim, redundará num empobrecimento moral ou epistemológico, mas, antes, passará pelo empobrecimento estético, independentemente de qualquer influxo religioso.

Sem um contato vital e profundo com a tradição e os textos sacros, ficaremos cegos, surdos e mudos para uma boa compreensão de dois milênios de arte e de civilização. Como já acontece com a arte contemporânea. Simbolicamente, nesse campo, o ponto da virada, rumo à essa cultura de repúdio, foi o pinico do Duchamp: a arte desceu do nível dos ciprestes do Van Gogh, passou pelo dito pinico e foi parar no esgoto da frivolidade e da bizarrice do cotidiano. Antes parasse por aí. Mas não. A imaginação humana realmente não tem mais limites estéticos e qualquer coisa vira um ato de expressão artística.

Já comentei, certa vez, sobre a “profundidade estética” da exposição sobre orifícios anais que ocorreu em Paris há pouco tempo. Agora, talvez inspirado pelo “vanguardismo estético” da exposição parisiense, um universitário inglês promete perder a “virgindade anal” no meio de uma “performance artística”, cujo título do projeto é Art School stole my virginity (a Escola de Arte roubou minha virgindade).

Resumo da ópera: o sujeito, todo nu, assim como seu companheiro, vão se lambuzar de tinta colorida sobre uma tela em branco esticada no chão de uma galeria de arte, manter uma relação homossexual e o resultado dessa pornopopeia será exposta depois para o delírio e para os aplausos daqueles que reduzem a arte ao nível pedestre da cupidez, da vontade de poder e da prepotência sobre o outro.

Não vou entrar no argumento de fundo dessa manifestação provocativa: a destruição simbólica da virgindade da moral judaico-cristã. Apenas lamento informar ao jovem universitário que ele chegou com uns cinquenta anos de atraso para avocar qualquer tipo de ineditismo no assunto e que ele está sendo manipulado pela “agenda da cultura de gênero” no trabalho de “desconstrução da heteronormatividade”.

O fato que interessa aqui é a tal “loucura da arte” (Henry James), que pode ser resumida no clichê expressão/repressão, o qual domina grande parte das discussões analfabetas do nosso tempo. Como somos “herdeiros de uma sensibilidade romântica superada”, acredita-se, hoje, que a arte deve ser "autêntica" e que a "autenticidade" consiste em abrir as portas da alma (na prática, são dos porões), sair por aí oferecendo nossos "sentimentos" e "emoções" numa bandeja de prata e, por via dessa “catarse”, libertarmo-nos de nossas neuroses mais profundas.

Bem, isso está mais para terapia do que arte. Aliás, boa parte da arte moderna não passa de um amontoado de pinturas, esculturas e obras que refletem e concretizam uma espécie de “sessão artística de psicanálise”. Eliot já disse que a arte não é uma questão de expressão ou repressão, mas de disciplina e sublimação. A destruição da arte e a pouca relevância que ela tem dado na retratação da beleza é um claro sintoma de um problema que supera o estético e que envolve uma crise de existência humana.

Se a beleza salvará o mundo, como já alertou o papa João Paulo II, tenho pouca esperança neste século que se inicia. A beleza da arte não se confunde com a tela “colorida” e “viscosa” de nosso jovem “artista” inglês: uma superfície ”sexualmente” pigmentada pelas mais variadas cores e por muito sêmen masculino. Não admira que ele seja como os jovens anoréxicos que se olham no espelho e desatam a começar outra dieta em nome de umas calorias excedentes que não têm mais. Todos eles acreditam genuinamente na sua própria genuinidade. Com respeito à divergência, é o que penso.

quadros em branco

Ver outros artigos da coluna

Publicidade


André Gonçalves Fernandes é Bacharel em Direito pela Faculdade de Direito do Largo de São Francisco (USP). Mestre e Doutorando em Filosofia e em História da Educação pela UNICAMP. Juiz de direito titular de entrância final. Pesquisador do grupo Paideia, na linha de ética, política e educação (DGP - Lattes) e professor-coordenador de metodologia jurídica do CEU-IICS Escola de Direito. Coordenador do IFE Campinas. Juiz Instrutor e articulista da Escola Paulista da Magistratura. Colunista do Correio Popular de Campinas, com especialidade na área de Filosofia do Direito, Deontologia Jurídica, Estado e Sociedade. Experiência profissional na área de Direito, com especialidade em Direito Civil, Direito de Família, Direito do Estado, Deontologia Jurídica, Filosofia do Direito e Hermenêutica Jurídica. Membro da Comissão Especial de Ensino Jurídico da OAB, da Escola do Pensamento do IFE (www.ife.org.br), do Comitê Científico do CCFT Working Group (Diálogos entre Cultura, Ciência, Filosofia e Teologia), da União dos Juristas Católicos de São Paulo (UJUCASP), da Associação de Direito de Família e das Sucessões (ADFAS) e da Comissão de Bioética da Arquidiocese de Campinas. Detentor de prêmios em concursos de monografias jurídicas. Autor de livros publicados no Brasil e no Exterior e de artigos científicos em revistas especializadas. Titular da cadeira nº30 da Academia Campinense de Letras.

E-mail: agfernandes@tjsp.jus.br

Publicado no Portal da Família em 04/10/2014

Outros artigos do autor:

Divulgue este artigo para outras famílias e amigos.

Inscreva-se no nosso Boletim Eletrônico e seja informado por email sobre as novidades do Portal
www.portaldafamilia.org


Publicidade